top of page

Sarah Sampaio: a sociobioeconomia já chegou!


palco da Glocal XP com Sarah Sampaio, da Amazônia Agroflorestal, falando

Na ocasião do evento Glocal Experience, tive o privilégio de representar o Café Apuí Agroflorestal ao lado do André do Idesam, que apresentou a Inatú, e Dr. Emiliano do Instituto Mamirauá. Nossa missão era clara: compartilhar experiências e soluções inovadoras que estão ajudando a enfrentar os desafios amazônicos com manejo sustentável. Muitas vezes, em eventos como esse, ouvimos falar sobre os problemas, as dificuldades e as ameaças que a Amazônia enfrenta. Acredito que é igualmente importante destacar as soluções que estão sendo desenvolvidas e as abordagens inovadoras que estão sendo aplicadas para tornar nosso país e nossa economia realmente sustentáveis, sendo exemplos para outras organizações e pessoas.

Na história de nossa Iniciativa, as parcerias têm sido fundamentais para o nosso sucesso. Destaquei a importância dessas colaborações, bem como a necessidade de estabelecer relações sólidas com o poder público e outros atores locais. O desenvolvimento sustentável depende de uma rede diversificada de parceiros que compartilhem a mesma visão de futuro para atingirmos os objetivos de impacto socioambiental positivo em conjunto.

O Café Apuí Agroflorestal está transformando a região sul do Amazonas através da produção de café agroflorestal por meio de parcerias com produtores locais. É fundamental compreender que estamos aqui para apoiar as famílias agricultoras, não para fazer por elas. Nosso projeto se baseia em ouvir as necessidades das pessoas e trabalhar com elas para encontrar soluções sustentáveis, seja para a produção de café dos sistemas agroflorestais, para a conservação da floresta nativa e a geração de renda justa para as pessoas que topam inovar conosco e abraçar o desafio de transformar nossa economia e modo de vida

Com a nossa abordagem de sistemas agroflorestais, estamos recuperando áreas degradadas e criando oportunidades econômicas reais para as famílias locais. O compromisso com a saúde de quem produz e quem consome também está presente em nossa cadeia, através da parceria com a Rede Maniva de Agroecologia para o Certificado Orgânico, que agrega valor ao produto das famílias parceiras e permite que o café produzido de forma orgânica receba o selo necessário para que o consumidor final possa consumi-lo sabendo que ele cumpre todos os requisitos da legislação brasileira. Nosso compromisso com a sustentabilidade foi fortalecido com nosso projeto REDD+ que se iniciou em 2022 e que recompensa as famílias parceiras pela preservação da floresta com a emissão de créditos de carbono e um pagamento pelo serviço ambiental prestado. A sociobioeconomia já tem uma relevância muito grande hoje e vai construir o caminho para o futuro.

O Brasil tem um histórico enorme de vender produtos brutos, que serão processados no exterior, perdendo sua história e tirando a oportunidade de enriquecer nossas cadeias aqui. Nosso café tem sua cadeia completa em Apuí, desde a produção até o beneficiamento, torra e embalagem, agregando valor e pessoas em toda sua cadeia.

Precisamos também destacar a importância de encontrar compradores que valorizem não apenas o produto, mas também o impacto social e ambiental por trás dele e sua ligação com o território. Parcerias com empresas como a Eurocaps são exemplos de como podemos encontrar parceiros que compartilham nossos valores e estão dispostos a pagar um preço justo pelo nosso café.

Por fim, enfatizei o papel dos gestores públicos na promoção da sociobioeconomia. A elaboração de políticas públicas que incentivem práticas sustentáveis é essencial para o crescimento desse setor.

Temos o sonho de que a sociobioeconomia se torne a economia principal, não apenas a alternativa. A Amazônia Agroflorestal é um exemplo de como essa visão pode se tornar realidade para muitas outras empresas e organizações, criando um futuro mais sustentável para nossa região, tão estratégica para todo o mundo. O futuro da economia já está em nossa porta e ele é sustentável e amazônico.


Comments


bottom of page